terça-feira, abril 10

Roupa Inteligente


”Oi, estou a fim de você” é uma das frases que a camiseta do jovem da foto exibe quando ele paquera nas baladas. Se o moço estiver em uma noite mais criativa, a camiseta exibe também um aceno de mão para quem ele estiver flertando. (heheh super criativo, rs)
Modo de usar: jamais desviar o olhar de sua paquera, caso contrário muita gente poderá se sentir cobiçada, até quem estiver acompanhada – e isso pode dar problema porque é impossível não chamar a atenção.
A “roupa inteligente”, que funciona como painéis eletrônicos, interage com o ambiente e com pessoas, mesclando tecido e alta tecnologia, é a mais nova tendência adotada pelos jovens dos EUA e de alguns países da Europa e da Ásia.
No Brasil, as primeiras peças inteligentes desembarcam no início do ano, importadas de fabricantes europeus que as batizaram de “outdoors de vestir”.

A empresa holandesa Philips foi pioneira no uso dessa tecnologia.
Foi criada uma coleção chamada Lumalive, e nela os projetistas implantaram minúsculos semicondutores (mais finos que um fio de cabelo) que convertem energia elétrica em luz.
Eles estão ligados a uma central de comando (funciona como o controlede uma tevê) que pode ser conectada sem fio a celulares, computadores etocadores de áudio como MP3 e iPod.
Nas jaquetas, por exemplo, basta acionarum dos botões desse controle situado em uma das mangas para que um painel(de 20 centímetros por 20 centímetros) se acenda e exiba fotos, mensagens detexto, figuras em movimento e anúncios publicitários.
Também almofadas, travesseiros, sofás, cortinas e qualquer outra peça feita ou revestida com esse tecido realizam a mesma função.

Os estilistas começam a usar tais produtos em suas coleções – e são os italianos da marca Luminex que estão criando os vestidos mais brilhantes do mundo.
Para isso, eles se valem das fibras desenvolvidas pelo National Institute of Standards and Technology, dos EUA, que mesclam componentes eletrônicos revestidos por nanoestruturas cuja função é amplificar os feixes de luz.
Resultado: o tecido brilha duas vezes mais que a lanterna de um automóvel. O segredo: fibras ópticas entrelaçadas na trama captam a luz para distribuí-la com uniformidade por todo o vestido. Assim, não há risco de que alguma parte do corpo fique apagada.
“Durante o dia essas roupas parecem comuns, mas à noite elas destacam quem as veste”, diz Cristiano Peruzzi, diretor da Luminex, que colocou as primeiras peças à venda na semana passada. Um top não sai por menos de 350 euros e uma bolsa pequena custa 60.
Por um coração que parece bater de verdade pagam-se 100 euros. Sem contar, é claro, a taxa de entrega.

Também os ingleses estão na nova onda dos tecidos inteligentes. A Eleksen acaba de produzir uma fibra sensível ao tato.
Plugada a um tocador de MP3, por exemplo, essa fibra que se chama Elektex permite trocar de música e aumentar ou abaixar o volume do aparelho com um simples toque na roupa, que pode ser “programada”.
A nova safra de tecidos tecnológicos também massageia o corpo, estimula a circulação sangüínea e combate o stress gerado pela exposição a campos magnéticos ou cargas eletrostáticas.
Brasil, a estilista Lita Mortari desenhou uma coleção que utiliza fibras similares. Na lista dos tecidos funcionais há até um cashmere à prova de bala que ganhou muito status ao ser usado pela famosa estilista italiana Alexandra Fede.
Coisas do futuro? Lembram dos Jetsons? A criatividade está aqui e agora no nosso presente!
Bjocas e até mais, Ale.

Nenhum comentário: