quinta-feira, julho 31

Moda Verão 2009

Romântico e feminino, o vestido de flores é um must have da estaçao.
Em estampados, renas ou aplicadas, discretas ou exuberantes... experimente e dvirta-se com as combinações nos estilos: Romântica, Hippie e Rebelde...
Adorei !!!!



Veja referências, marcas, valores e créditos no site:




bjks Ale

quarta-feira, julho 30

Cinema: as poderosas vão voltar

Estúdio prepara continuação de "Sex and the city - O filme"




O sucesso estrondoso de "Sex and the city - O filme" ao redor do mundo - o longa arrecadou mais de US$ 140 milhões desde que estreou, em maio - abriu os olhos dos executivos dos estúdios Warner Bros, que já planejam uma seqüência para o longa. As informações são do site "Entertainment Weekly".
Depois de meses de especulação, o HBO confirmou que uma continuação do filme de "Sex and the city" está começando a ser desenvolvida. Michael Lombardo, presidente do grupo de programação do HBO disse a um grupo de repórteres em uma coletiva de imprensa em Los Angeles nesta sexta: "Estamos muito animados com o entusiasmo dos fãs.

Definitivamente há muita energia sendo colocada em outro filme".
Lombardo não se estendeu em seus comentários, mas uma fonte confirmou que o Warner Bros. já começou a discutir sobre uma continuação, acrescentando que o estúdio espera acelerar o projeto. Porém, ainda não há um roteiro. Na verdade, as principais atrizes envolvidas estão cautelosas com relação a um novo filme, sem querem apressar uma seqüência sob o risco de desapontar seus fãs.

Fonte: Gazeta do Povo.

============

Espero que o filme volte mesmo para os fàs matarem a saudade do quarteto...

Seria ótimo mostrar a rotina do casamento, os stress do dia a dia... e que o feliz para sempre, nem sempre é assim... rsss



Bjks Ale

terça-feira, julho 29

Divulgação: Aniversário da Rua Teffé

Olá pessoal,

sumi, sumi do Espaço da Moda... minha vida tá uma loucura!!!!
Trabalho + Trabalho, mas estou amando...hoje estou em São Luis com apenas 29 graus rss resultado das viagens faringite rss estou com aquela voz super sexy rsss
E para ajudar estava sem internet em casa... aiii não dá para deixar o blog atualizado... chego a triste conclusão... GVT e Brasiltelecom são iguais, bem não vou perder o meu tempo reclamando...
Bem, dicas para as curitibanas apaixonadas por sapatos...
clique na imagem e confira mais detalhes do níver...

A Rua Teffé está de níver... imperdível!!!!
Bjks

segunda-feira, julho 21

Babados, babadinhos e babadões verão 2009

O próximo verão será rico em detalhes e o que promete ser um dos destaques da estação são os babados, babadinhos e babadões, para todos os gostos. Eu particularmenet adoro um babadinho o estilo romântico de ser. rsss
Seja em pequenos detalhes de cavas, barras e mangas ou montando looks completos os babados prometem trazer todo o romantismo e suavidade que a estação pede.
Por acrescentarem volume os babados pedem alguns cuidados, como escolher deixa-los na parte superior do corpo se você tem quadris largos ou coxas grossas.

Pequeno, discreto, grande ou extravagante se renda aos babados.
Confira mais modelitos no site Moda Mundi,

Bjks Ale


domingo, julho 20

Os Lurkers e a relação com a Blogosfera



Segundo o editorial de Adriana Amaral o artigo é pautado pela análise empírica das práticas de sociabilidade da audiência dos blogs em um original ensaio introdutório a respeito da figura dos lurkers, os anônimos que perpassam a blogosfera sem deixar comentários, e tem como objeto o próprio blog de um pesquisador da comunicação.


Obrigada Adri pelo editorial e ao Alex Primo por ter deixado pesquisarmos blog dele.
E você é um Lurker?

Bjks Ale

sábado, julho 19

Cuide do seu bichinho

Sabadão de sol... e um pouco de frio para variar um pouquinho, né!
Cheguei ontem de Natal... adorei o pouco que vi de Natal... mar verdinho, vários shoppings... mas o tempo não ajudou muito frio e chuva... um clima básido de 23 graus rsss inverno para eles. Muitos casais em férias e lua de mel... e nós trabalhando!
.........................................
O SOL já dá uma animada... estou aqui dando uma geral nos recadinhos, e-mails e me preparando para correr no parque, estou precisando da minha dose de endorfina rsss
Segue algumas dicas bem legais sobre como cuidar dos bichanos... Clique na imagem para ampliar e ler todas as dicas:

Maltratar animais é CRIME!

Bom final de semana... e aproveite o SOL!

Bjks Ale

sexta-feira, julho 18

As 5 regras do Marketing

O marketing é uma parte arte, outra parte e uma última parte negócios.
Porque é uma coisa subjetiva, há poucas regras rígidas e está sempre se modificando. Hoje apresento 5 novas regras para guiar a sua forma de indagar lhe impulsionar ao lucro sustentável. Tudo através de um investimento mínimo afim de evitar surpresas sórdidas no caminho.

1. A Regra “10/30/60”
Todos os guerrilheiros sabem que eles têm três mercados. O maior desses mercados e o que representa menor lucratividade e chama-se universo. Os guerrilheiros investem 10 por cento do orçamento de marketing para comunicar-se com o seu universo, para que esses clientes passem a integrar o segundo maior mercado, para assim aumentar a geração de lucros.
O segundo maior mercado é formado pelos prospects, esses faziam parte do universo e tiveram o seu perfil de cliente ajustado. A tarefa: investir 30 por cento do seu orçamento para conduzir essas pessoas para o seu terceiro mercado - o dos seus clientes, onde reside a fonte maior lucratividade.
Os guerrilheiros investem 60% do orçamento de marketing com os seus clientes, sabem que o custo para realizar uma nova venda para o cliente corresponde a 1/6 do custo de um novo cliente. Desta forma, o investimento em marketing produz mais vendas e mais lucros.


2. A Regra “1/10/100”
Agora que você sabe o valor de um clientes, não superestima a importância deles. Outros investimentos de marketing valem a pena até mesmo mais. Quando os guerrilheiros planejam o marketing, sabem onde o real poder reside e investem adequadamente.
Existe uma regra para adequar o investimento. Os guerrilheiros sabem que para $1 investido com seus clientes internos equivalem $10 com trade marketing e $100 com os seus clientes externos. Clientes são gloriosos e os parceiros comerciais muito úteis, mas nunca negligencie o poder do endomarketing.

3. A Regra do “terço”
Muitos donos de pequenas empresas estão começando a experimentar o marketing online. Os guerrilheiros já aprenderam a orçar o seu investimento online. Eles investem 1/3 em design, para ter uma aparência simples e atraente e fácil de ser achado.
Eles investem outro terço do orçamento online para atrair as pessoa e criar tráfego dentro site. O terço final do orçamento online é usado para torná-lo funcional e interativo.

4. A Regra das “duas vezes”
Eu odeio ter que lhe informar, mas embora o preço de tecnologia esteja caindo a cada dia que passa. Você terá que enfrentar a realidade, pois para manter-se competitivo terá que investir muito mais em tecnologia. A cada ano, novas tecnologias surgem e a empresa deve acompanhar esta evolução com duas modificações anuais em seu site.


5. A Regra da Regra
Você pode se considerar muito ocupado para a gestão de marketing. Pode ter seguido os passos de outros guerrilheiros e ter delegado a função de marketing a um guerrilheiro especializado. Ainda assim, eu penso que você deveria aprender com os melhores CEO’s dos Estados Unidos, que se envolvem profundamente no planejamento e execução dos planos de marketing e assumem responsabilidade completa por isto.

Enquanto você puder delegar a função, você não poderá delegar a paixão e a visão, enquanto fazem isto. A regra é: comande o processo e mantenha seus olhos em tudo que acontece. Siga esta regra e você nunca será conduzido para resultados desagradáveis ocasionados por uma estratégia de marketing inadequada com as metas da empresa.

Fonte: http://www.mercadocompetitivo.com.br/

Marketing, não vivemos sem ele :-)

Bjks Ale

quinta-feira, julho 17

Clássico da Moda: Levi's



Levi Strauss, nasceu na Baviera francesa e chegou aos Estados Unidos em junho de 1847, em plena era do ouro. Foi trabalhar para os seus irmãos mais velhos, vendendo tecidos e objetos domésticos em Kentucky. Dois anos depois, partiu para a Corrida do Ouro, na Califórnia. Começou a confeccionar calças para os mineiros com um tecido de lona marrom; usado pra fazer barracas e cobrir carroças; já que eles precisavam de tecidos bem resistentes.


Em 1850, contratou um alfaiate e transformou a sua lona em macacões, que foram vendidos rapidamente. Mais tarde abriu uma pequena confecção de calças em San Francisco. E quando Levi trocou a lona pelo “tecido de Nimes”, mais resistente e durável, tingiu-o com índigo que foi batizado pelos americanos de denim (corruptela da expressão – de Nimes), passaram a chamar a calça de Levi’s blue denim ou blue jeans.


Eu tenho a minha calça jeans básica e adoro!


Veja o artigo completo Aqui ,


Bjks Ale


quarta-feira, julho 16

Acredite na Beleza



Tá na ar e está dando o que falar...

Não seria bom viver em um mundo onde a beleza não fosse valorizada?

NÃO. NÃO SERIA.
ACREDITE NA BELEZA.
O BOTICÁRIO.

Em 1 semana foi produzido e finalizado esse material.
Que foi rodado em Monte Video.
Show!!!!

Parabéns para toda a equipe envolvida no projeto!

Acredite na Beleza!

Amamos usar batom, ter cabelos diferentes, sejam eles lisos, crespos, ondulados.. temos escova progressiva rsss amamos sermos vaidosas, faz parte de ser mulher!

Bjks Ale

segunda-feira, julho 14

Divulgação: Agende-se lançamento de filmes

Clique na imagem para ampliar
Dia 15 de julho, às 20h30, rola no Shopping Novo Batel a exibição de quatro novos curtas paranaenses. Essa é a dica do desaforado Mário Lopes. www.desaforadas.blogspot.com
Para os leitores Curitibanos.
Bjks, Ale

domingo, julho 13

Semana Agitada no Nordeste


Essa semana fiz uma maratona nos aeroportos brasileiros...
1o. em Aracaju... levei uma nuvenzinha com chuva e frio, acredita?
É isso mesmo cheguei a noite direto para o Hotel e pela manhã reunião + almoço + reunião e no final da noite fomos comer no Dragon restaurante japonês que fica na orla de Aracaju que a noite não dá pra ver nada, mas o pouco que vi e conversei com os taxistas a cidade cresceu bastante.
============================
De madruagada voei pra Salvador e o friozinho continuou...
Fiquei no hotel Mercury de frente para o mar... adorei o café da manhã tinha uma bahiana fazendo tapioca, claro que comi, né... comi até Caju (é gostosinho rss) e experimentei suco de tamarandu... não lembro o nome, mas não é bom é super amargo e tem um cor bem feia.
===========================
Fiz uma super maratona na Idéia3 agência de comunicação que nos atende no Nordeste... ahahah eu não tomo café, mas não resisti e experimentei o famoso capuccino da agência... gente é MARAVILHOSO!!!!! tomei apenas 3 rssss
Sá, RÊ, RO, Moisés e Leandro, valeu pela atenção e o carinho!
===========================
No outro dia reunião + reunião com os franqueados... voei para Recife... a noite fui conhecer a feirinha.. comi tapioca e bolinho de queijo (muito bom) ...rs
Acordei às 6h da manhã com o tão esperado SOL.
Acredite rss a foto acima é a vista do meu quarto... às 6h da manhã estava caminhando/correndo na praia e vi duas placas com a imagem de um tubarão com os seguintes dizeres:
Área sujeita a ataque de tubarões... pode... é isso mesmo...
=============================
No mais... a moda nordestina é a mesma que a nossa... rss
Destaque para os shoppings em Salvador amei o Salvador Shopping e o Barra Shopping o que deu para dar um volta... são enormes e com praças de alimentação gigantes... bem diferentes dos shoppings curitibanos...
A moda nas vitrines tem um ar de inverno rs, sim gente lá faz frio, claro que é um friozinho, mas tem bota, casacos pesados...
Nas lojas de deptos como Renner e C&A também são modelitos bem diferentes dos nossos aqui do sul...
O que muda são os sotaques rsss
Bjks Ale

Madonna no BRASIL?!?

Eu quero ir!!!!

Agora parece que é certo, apesar de ainda não oficial!!

Serão 4 shows no Brasil - 3 em São Paulo e 1 no Rio, entre 13 e 20 de Dezembro. Muito pouco... tinha que aproveitar e fazer um tour em Curitiba, Porto Alegre, BH....
Datas a confirmar no site http://www.feedblitz.com/t.asp?/57946/978759/http://www.livenationinternational.com/madonna/
Deu no Radar on Line, blog do jornalista Lauro Jardim:

A Time For Fun, dona do Credidard Hall (SP), Citibank Hall (RJ) e Ticketmaster, praticamente fechou a compra de cinco shows de Madonna no Brasil.
Sua oferta pelas apresentações da turnê Sticky & Sweet é de 25 milhões de dólares.

Pelo menos dois empresários brasileiros negociam com a Live Nation, empresa de entretenimento americana que administra a carreira da cinqüentona Maddona. Mas a proposta da Time For Fun, que tem Arminio Fraga como sócio, é muito superior.
O contrato, que deve ser assinado dentro de duas semanas, prevê três shows no Morumbi e dois no Maracanã - todos em dezembro.

Vamos torcer para que fechem os contratos...

Bjks Ale

sexta-feira, julho 11

A "famosa chapinha"

Sexta-feira... balada, happyhour com os amigos e os cabelos? Como estão?
E viva ela! A Chapinha... prática, rápida e salva os cabelos rebeldes na hora dos apuros... quando não dá tempo de ir no salão ou quando a grana tá curta, mesmo. rs
Segue algumas dicas, sobre alisamentos... é melhor se informar, pegar referências, ver o cabelo de quem já fez, pois o seu cabelo é o seu cartão visita... já fiz algumas escovas progressivas e amei meu cabelo ficou show (brilhoso, lisinho e principalmente sem volume) pena que dura em média uns 3, 4 meses, mas vale a pena...
Quais cuidados devem ser tomados ao fazer alisamento em um cliente que vem de outro salão ou que alisou em casa?
O maior cuidado é descobrir se o alisante usado anteriormente será compatível com a marca usada em seu salão. Ou seja, se a fórmula de antes era à base de tioglicolato de amônia, não se deve usar, agora, um alisante à base de hidróxido de sódio ou de cálcio. "A base química precisa ser a mesma", alerta Joana Silva, técnica da Wella. Além disso, produtos de alisamento à base de metal ou de vegetais como o henê são incompatíveis com qualquer outra fórmula.

Em que situações os fios podem cair ou se partir durante um alisamento?
Tratamentos ou transformações no cabelo não são responsáveis pela queda dos fios, que acontece por questões internas: perda natural pela idade, problemas hormonais ou até mesmo porque o fio terminou seu ciclo de vida. Mas a química pode, sim, fazer com que se partam, quando feita de maneira inadequada. Por exemplo, quando a ação do produto alisante for forte demais para o tipo de cabelo. Um teste prévio em uma pequena mecha da nuca ajuda a decidir entre as fórmulas suave, normal ou forte. Segundo Joana Silva, técnica da Wella, outro motivo freqüente para fios partidos é a forma de aplicação. O cabelo deve ser penteado e enluvado seguindo o sentido de seu crescimento, para frente ou para o lado, não para trás, explica. Ainda pode ser motivo do problema deixar o produto por mais tempo do que o indicado e não fazer uma neutralização correta.

Qual a função do neutralizante? Em quais tipos de alisamento ou escova progressiva ele é necessário?
O neutralizante é aplicado após o alisamento para impedir que o ativo químico continue agindo a ponto de promover a quebra dos fios. Ele religa as pontes de cistina, o que firma o novo formato do cabelo.

Que fórmulas alisantes são compatíveis entre si?
As que têm o mesmo princípio ativo. Alisamentos feitos com tioglicolato de amônia, mesmo que de marcas diferentes, são compatíveis entre si, assim como os de hidróxido de sódio. Tioglicolato e hidróxido de sódio, no entanto, não são compatíveis. Portanto, uma vez usando um desses ativos para alisar, não pode haver troca para o outro, até que todo o cabelo alisado seja cortado, sob riscos de haver quebra dos fios. A escova definitiva e a progressiva, por outro lado, são compatíveis com os alisamentos por química. De qualquer forma, fazer um teste em uma mecha da nuca antes de submeter todo o cabelo à transformação é indispensável. Só ele garante ao cabeleireiro e à cliente que os riscos de problemas serão mínimos.

Quais são as opções de tratamento para diminuir o volume dos fios?
Para diminuir o volume e definir cachos, uma opção é o relaxamento. "A fórmula usada depende do tipo de cabelo", diz a cabeleireira Bianca Terra, do Werner Coiffeur, no Rio de Janeiro. A escova progressiva sem formol também pode reduzir o volume, assim como tratamentos contra ressecamento, condição que costuma deixar o fio rebelde e espigado.

O que é e como age o tioglicolato de amônia?
O tioglicolato é um princípio ativo que serve para amolecer a fibra capilar, promover a quebra das pontes de cistina e, com isso, deixar o fio maleável, para ser moldado como se desejar. "Se pentear, ele alisa. Se enrolar, ele forma cachos", ensina Joana Silva, técnica da Wella.

Como funciona cada tipo de alisamento?
A Escova à Francesa, da Glynett, impermeabiliza a fibra capilar através de um composto de aminoácidos e emulsões de silicone que segura melhor as moléculas de proteínas na fibra capilar. O fio fica mais pesado e o volume é reduzido. Como é progressiva e temporária, deve ser refeita até que se alcance o resultado desejado. A escova progressiva com tioglicolato de amônia ou hidróxido de sódio deixa o fio liso logo na primeira sessão, mas por ter concentrações menores desses ativos do que as fórmulas dos alisamentos tradicionais, costuma durar menos tempo: até dois meses, dependendo do grau de ondulação do cabelo. Exige retoques constantes na raiz e hidratações periódicas. Para quem quer efeito liso duradouro, a saída é o alisamento tradicional (com ativos químicos como tioglicolato e hidróxido) ou a escova definitiva (também chamada escova japonesa ou alisamento japonês). Nesses métodos, a raiz crespa ou ondulada fica em evidência à medida que os fios crescem, assim, os retoques precisam acontecer a cada seis meses, em média. "Alisamento à base de amônia só é indicado em fios com a cor original ou com colorações em nuances escuras.

Os platinados ou com mechas podem sofrer ressecamento ou desbotamento", alerta a cabeleireira Rosiane Eduardo, do salão carioca Fast.
Há alguma técnica para deixar o cabelo liso, mas com as pontas onduladas?
O relaxamento é a mais indicada nesse caso. O cabeleireiro deve escolher alisante suave ou médio e calcular o tempo de ação do produto para que o cabelo não fique totalmente liso, apenas ondulado ou com cachos definidos.

O que é menos prejudicial à fibra capilar: alisamento tradicional, escova progressiva ou alisamento japonês?
Qualquer tratamento pode danificar o cabelo em maior ou menor grau, o que não significa que não se deve fazê-lo. Para garantir a saúde dos fios, depois da transformação, é indispensável que eles recebam, com freqüência, hidratações e reestruturações para repor as substâncias perdidas durante o processo. O que é o formol e por que escovas progressivas com ele são condenadas?É uma substância utilizada, principalmente, para a conservação de outras substâncias e até de tecidos (é usado em biópsias, por exemplo, para impedir a degradação antes da análise). Pode ser facilmente absorvido pelas mucosas e ocasionar problemas sérios para a saúde, tanto da cliente quanto do cabeleireiro. A dermatologista Denise Steiner, diretora da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Câmara Técnica de Cosméticos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), não recomenda nem aprova fórmulas à base de formol. "Se for usada uma concentração alta de formol em produtos para o cabelo, os fios podem se tornar ainda mais quebradiços. Ele danifica a cutícula, que é a parte mais externa do fio e deixa o córtex, a parte interna, bastante vulnerável ao ressecamento e ao desbotamento", explica a especialista.

Como saber se uma fórmula de alisamento é confiável?
Toda fórmula de produtos para cabelo deve ter registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (www.anvisa.gov.br). A Anvisa promove a saúde da população fazendo controle sanitário da produção e da comercialização de cosméticos, incluindo as substâncias de sua fórmula. Também é importante que o cabeleireiro esteja preparado para fazer um bom diagnóstico do fio, identificando se os princípios ativos que serão usados são compatíveis com o da coloração ou do processo químico feito anteriormente. Cada ativo é melhor para um tipo de cabelo ou mais indicado para um resultado que se quer alcançar.

A queratinização capilar tem a função de alisar ou tratar?
Queratinização, reconstrução ou cauterização são variações de nomes usados em salões ou por laboratórios fabricantes para um mesmo tipo de tratamento reconstrutor dos fios. Ele tem a função de repor a queratina que é eliminada durante processos de alisamentos, colorações ou pela ação de agentes externos, como o sol e a água da piscina. "O choque de queratina recompõe a fibra capilar, deixa o fio mais macio, sedoso e disciplinado, mas não é capaz de fazer um alisamento", avisa Alessandra Brasca, relações públicas da Aneethum.

Qual a técnica mais indicada para deixar superliso um cabelo levemente ondulado?
Há várias técnicas capazes de alisar qualquer tipo de fio, inclusive lisos com ondulação. Nesse caso em que a transformação não será muito brusca o ideal é optar por uma fórmula mais suave. A Escova à Francesa, por exemplo, à base de silicones e aminoácidos, disciplina os fios e reduz o volume. Pode ser refeita com intervalo de sete a dez dias. Quem quer o cabelo bem liso, no entanto, deve optar pela Escova Progressiva, que dura de dois a três meses.

Que produtos devem ser usados para lavar e tratar o cabelo alisado?
Após uma transformação química, os fios precisam de produtos que reponham os nutrientes perdidos no processo, como, por exemplo, ceramidas, aminoácidos e proteínas. Óleos vegetais e silicones também são de grande ajuda, pois fecham a cutícula, devolvendo o brilho e a maciez ao cabelo.

Posso colorir os fios antes de fazer escova progressiva ou devo alisar primeiro?
O mais indicado é fazer primeiro a coloração e depois a escova progressiva. Mas não há exatamente um consenso sobre o assunto, pois pode haver variações de uma marca para outra. "O produto usado para fazer Escova à Francesa forma uma película sobre o fio que, além de alisar, protege a coloração do desbotamento. Se for aplicada a tintura antes, corre-se o risco de os pigmentos não se fixarem bem", diz Gleno Márcio da Silva, da Glynett. Já a cabeleireira Neide Santos, do salão Neide's Cabeleireiros, do Rio de Janeiro, que desenvolveu a Emulsão Alisante Progressiva à base de ácido fórmico, em parceria com o Laboratório Distrion, considera que o ideal é dar um intervalo de 15 a 20 dias entre a escova e a coloração.

Qual o tratamento adequado para pontas danificadas no cabelo afro relaxado com guanidina? Um aplique de microtranças ajuda a melhorar o aspecto dos fios?
Se o cabelo estiver muito danificado, é aconselhável suspender o relaxamento por um tempo. Nesse período, o cabeleireiro João Pedro, do Studio Afonjá, no Rio de Janeiro, sugere recuperar a fibra capilar com hidratações profissionais à base de ativos vegetais. Também vale a pena aparar as pontas que estão partidas. Segundo ele, o aplique de microtranças é uma boa opção para aguardar os fios crescerem, sem a necessidade de usar química.

Créditos : fotos Cláudia Chedid e Arquivo Duetto
Fonte: http://www2.uol.com.br/cabelos/conteudo/materia/materia_14.html

Bjocas e até mais, Ale.

quinta-feira, julho 10

A mapa do consumo

O artigo é longo, mas é muiiito interssante!

Jovens de 18 à 24 anos ditam as tendências do consumo mundial de todas as faixas etárias. Saiba como trabalham as empresas que pesquisam seu comportamento, mapeiam seus movimentos e descobrem, antes de você mesmo, o que você vai comprar amanhã.

Foi-se o tempo em que os únicos canais que uma empresa contava para descobrir o que o se passa na cabeça do seu público eram os 0800 dos serviços de atendimento ao consumidor (geralmente utilizados para relatar experiências frustradas) ou avaliações de mercado superficiais.

Hoje, quem dita os hábitos de consumo são os jovens. Seus hábitos são decisivos para determinar o que será consumida pelas outras faixas etárias em escala global. Com acesso às ferramentas necessárias para inverter a via de mão única da indústria cultural, a geração digital rompeu os padrões estabelecidos e transformou o mercado, ampliando o que antes podia ser considerado sub-culturas e mudou a cara do consumo global. Se para as grandes marcas isso tornou mais complicado mirar seu público-alvo, o que dirá acertá-lo.

Através de análise de campo, as empresas de pesquisa de tendência estudam detalhadamente seu comportamento, detectam tendências e ajudam a indústria a antecipar demandas, podendo lançar e moldar produtos antes mesmo delas se manifestarem em larga escala. A Box 1824 e a Voltage são dois dos principais nomes nessa área.
======================================
Numa pesquisa sobre comportamento jovem, realizada sob encomenda de uma agência de publicidade de Porto Alegre, um grupo de entrevistados contava o que gostava de fazer no final de semana. Uma menina contou que gostava de ir ao shopping, um garoto falou que curtia ensaiar com sua banda, enquanto outro menino disse simplesmente que gostava de pescar, provocando riso no resto do grupo. Intrigada com uma resposta tão fora do padrão urbano, a entrevistadora perguntou se ele fazia esse programa com os pais, arrancando mais risadas quando ele disse que preferia ir com os amigos mesmo.
======================================
No dia de apresentar o resultado do estudo para o cliente, a pesquisadora relatou, entusiasmada, ter percebido que alguns jovens estavam resgatando hábitos antigos, como pescar. Assistindo a reunião, um funcionário da área de planejamento e pesquisa da agência, Rony Rodrigues, então com 22 anos, caiu na gargalhada. “Pescar”, na gíria dos guris, significa fumar maconha.

Percebendo que o segmento jovem estava sendo mal estudado, Rony convidou o amigo (e colega de profissão) João Paulo Cavalcanti e a psicóloga Priscila Figheira para realizar pesquisas por conta própria. Logo no primeiro trabalho, para a marca de tênis Olympikus, constataram algo importante. Devido a proximidade de idade, os jovens contavam pra eles coisas que não diziam para pesquisadores mais velhos.
========================================
Após um estágio numa empresa italiana, a Radar, em Milão, Rony voltou com conceitos mais bem fundamentados sobre os métodos de análise. Nascia a Box 1824, a primeira empresa de pesquisa de tendências no Brasil.
Para descobrir os próximos movimentos culturais, as pesquisas de tendência investigam os hábitos de jovens bem informados, naturalmente ligados nas mais recentes inovações tecnológicas, artísticas e comportamentais.

Talvez você tenha um amigo assim. Um personagem algo parecido com o descrito por João Brasil no seu hit (virtual, claro), “Supercool”. É aquela pessoa que vive “ouvindo seu iPod, atualizando seu fotolog, passando músicas pro laptop / sempre muito antenado com o que não está na grande mídia.
Fundada em 2003, por Rony, 26, e João Paulo, 24, a Box 1824 tem entre seus clientes a Nokia (no Brasil, Índia, China e Tailândia), a Nike (América Latina) e Unilever (em 20 países, incluindo Inglaterra, EUA, México e África do Sul). Com uma equipe de colaboradores espalhada por diversos países, a Box 1824 é pioneira nos estudos em países em desenvolvimento e seus mercados emergentes, motivo pelo qual rapidamente conquistou clientes pelo mundo.
Tendência é um conceito comumente associado ao mercado de moda.
Diferente do que se pode imaginar, o trabalho dessas empresas não é criar modismos, através de exercícios de futurologia ou adivinhação. A tarefa é identificar comportamentos sócio-culturais incipientes e definir o momento certo de lançá-los para grande massa. Surgidas no final da década de 80, nos EUA, só agora essas empresas começam a surgir no Brasil.
Segundo Rony, as empresas querem, cada vez mais, entender seus consumidores, seus anseios e preocupações. Para isso elas contratam empresas de pesquisa de tendência de consumo, para experimentar junto com o consumidor suas vivências com seus produtos e serviços.

— O mercado percebeu a necessidade de se tentar antecipar os movimentos culturais e descobrir, através de uma verbalização ou de uma experiência de consumo, uma idéia que sirva pra criar um novo produto ou serviço.
Com apenas um ano e meio de vida, a Voltage atende Nívea, Del Valle, Grupo Estado, Coca-Cola, ABN Amro, entre outros. O diretor-geral, Paulo Al-Assal, 36, complementa.
— Não é simplesmente falar que o próximo tênis será verde, mas interpretar e estudar essa tendência. Essa informação pode ser utilizada para inovar um produto, embalagem e a comunicação.

Apesar do imperialismo cultural, por se tratar de realidades econômicas completamente diferentes, não basta tentar replicar o que está acontecendo na Europa e nos EUA.
O método utilizado nas pesquisas, apesar de variar em cada empresa, é elaborado e específico para cada cliente. Em comum, a importância de compreender o comportamento jovem para se atingir resultados satisfatórios.
==================================
— Os jovens de 12 à 17 anos aspiram ter entre 18 e 24 anos e viver as vantagens dessa idade. Os mais velhos, de 25 pra cima, se inspiram nessa faixa etária, para se reciclar — explica Rony, ao mesmo tempo que traduz o nome de sua empresa, Box 1824.
A geração nascida após a Segunda Guerra, os baby boomers, revolucionou o comportamento, a moda e a arte, conquistando seu espaço e o poder de consumo, inexistentes na década de 50. Na década de 80, o jovem adquiriu a chave do quarto, do carro e o direito à privacidade, de se isolar no próprio universo.

Nos anos 90, com televisão, aparelho de som e computador, eles se trancam no quarto não mais pra se distanciar, e sim pra conectar-se com o mundo exterior. A geração zapping, dos multi-meios, aprendeu a ler e escrever ao mesmo tempo em que acessava a internet, utilizando uma linguagem não-linear, em camadas de hyper textos.
Tanto a Box quanto a Voltage, trabalham sobre variações do esquema traçado por Everett M. Rogers em sua teoria da difusão da inovação (“Diffusion of Innovations”, 1962). O estudo foi o primeiro a classificar indivíduos de acordo com seu papel na cadeia de disseminação de novidades. São eles os “inovadores” (cerca de 3% da população), os “usuários pioneiros” (17%) e a “grande massa” (80%).
— A Box segmentou esse conceito, pois a pessoa pode até ser uma inovadora ou disseminadora de música, mas não sei se entende de xampu. Não dividimos os grupos apenas por classe social ou faixa etária, mas por alfas, betas e mainstream.
Alfas são os inovadores, pessoas que tem o comportamento totalmente individual em relação a determinado produto ou serviço. Betas são os disseminadores, é quem olha pro mercado, pras mídias editoriais e pro alfa, mastiga e leva pro mainstream. E o mainstream é a base dessa pirâmide, a massa. A maioria dos estudos utiliza os betas como fonte. O alfa é consultado quando se quer gerar um produto novo.
Encontrar essas pessoas exige paciência. Se o assunto for música, busca-se em lugares relacionados ao consumo (boates, loja de discos). Lá, pode-se fazer uma pergunta como “quem mais entende de música no Rio?”. Se o indivíduo responde exigindo especificações, como “no Rio?”, deve se tratar de um alfa ou um beta. Outro indicativo dessa condição, é quando o mesmo nome é citado por vários entrevistados.
Depois de se identificar os alfas e betas do tema em questão, passa-se 45 dias convivendo e analisando, com a consultoria de sociólogos e antropólogos, os hábitos de um grupo de 8 a 16 pessoas (determinados estudos chegam a dois mil entrevistados), utilizando técnicas como a invasão de cenários, onde se transforma pessoas do próprio grupo em observadores.
— Nesses casos, o entrevistador é igual ao entrevistado. Se formos pesquisar executivos, nós vamos chamar outro executivo para conduzir essa entrevista. Não é espionagem, as pessoas sabem que estão sendo observadas, numa relação franca. Nenhuma empresa no mundo trabalha diferente — diz João Paulo, da Box.
Os resultados muitas vezes são sutis. Numa pesquisa para pasta de dente Close-up Ice & Fire, a Box descobriu que os jovens estavam muito mais interessados em uma solução para o mau-hálito do que para anti-placas ou anti-tártaro. Com essa informação em mãos, fez-se a vontade do consumidor.
Os observadores recrutados pela Box recebem de 500 reais a 20 mil reais pelo trabalho, dependendo do seu perfil e do tamanho da empreitada.
— Cada vez que sai uma matéria, recebemos uns 40 e-mails. É um trabalho muito específico, de observação, não de crítica. A escolha da equipe é muito criteriosa, não é tão simples — fala Rony.
A Voltage trabalha com uma rede fixa de consultores no Brasil. Formada por 200 participantes entre 18 e 28 anos, constantemente renovados, mais outros 2.500 na Europa e 60 espalhados pela América Latina, fruto de uma parceria com empresas estrangeiras, como The Future Laboratory e Signs of the Times.
Chamados experts e connectors, esses jovens são recrutados por uma psicóloga no que Paulo Al-Assal considera “celeiros de antenados”.
— Algumas profissões naturalmente obrigam que se esteja sempre bem informado, caso dos DJs, estilistas ou jornalistas. Eles não são formadores de opinião, simplesmente estudam para exercer seus trabalhos e são early adopters [usuários pioneiros], disseminando tendências.
Nenhum dos colaboradores da rede da Voltage é pago. Sua missão é, através de um site, fornecer informações sobre o que acha atraente, inspirador ou promissor, por meio de uma foto e um breve texto. Os dados são então analisados por um conselho acadêmico, formado por antropólogos, sociólogos, psicólogos, teólogos, psicanalistas e especialistas em semiótica, e cruzados com os interesses do cliente.
— Nossos colaboradores vêem isso como uma oportunidade de trocar idéias com pessoas que pensam parecido e uma chance de acessar os resultados. Pago apenas quando uso essa rede pra fazer pesquisas, responder perguntas ou testar um produto.
O resultado dessas pesquisas pode determinar o sucesso ou fracasso de um produto e, portanto, são valiosos. Dependendo da complexidade, uma pesquisa da Box 1824 pode custar entre 150 mil e 2 milhões de reais. As da Voltage variam entre 40 e 400 mil reais.
Percebendo seu potencial como disseminador de tendências, alguns betas/connectors com perfil empreendedor, montam suas próprias empresas de consultoria e curadoria. É um trabalho diferente do que faz a Box 1824 e a Voltage, ou mesmo do cool hunting, outra atividade recorrentemente confundida com pesquisa de tendência.
Foi apostando na capacidade de filtrar informações que a jornalista Jô Hallack (falta a idade dela) e a executiva de marketing Adriana Penna (também) abriram a Predileta. No caso delas, o cliente não busca dados técnicos, mas sim um olhar.
— Somos mais artesanais, não é uma mega empresa. É trazer esse universo onde a gente cresceu, nossa vivência, e transformar em informação. Não é bom gosto nem gosto pessoal, é o que se encaixa para determinado cliente — diferencia Jô.
A Predileta fez a curadoria musical de eventos da Red Bull e Vivo Open Air, além de prestar consultoria para a produtora Lado B, responsável por administrar as carreiras de Zeca Pagodinho, Lenine e Vanessa da Mata.
Em alguns casos, essa análise de consumo futuro acelera processos, ou até cria demandas, interferindo na escolha das pessoas, algo que está na essência da publicidade. Naturalmente, há respostas para a incessante busca pela próxima tendência.
Criado em Buenos Aires e levando ao extremo a resposta do pintor surrealista Salvador à pergunta sobre o que tem potencial para se tornar moda (“tudo que está fora de moda”), o site “The uncool hunter” privilegia o bizarro e o kitsch, declarando-se anti-modas. O que, paradoxalmente, pode caracterizar uma maneira de se antecipar tendências.
Preocupados com os limites éticos da profissão que exercem, Rony e João fazem planos para um futuro consciente. Além de ser uma das primeiras empresas a aderir a onda carbon free (que significa neutralizar todas as emissões de carbono produzidas por seu trabalho com o replantio de árvores), a Box patrocinou artistas (os grafiteiros Os Gêmeos e o artista plástico Bruno Novelli) e videoclipes (“Entre nós dois”, do Tom Bloch, dirigido por Augusto Canani).
Os planos são mais audaciosos. Ano que vem a empresa pretende fazer um estudo mapeando o jovem do século XXI, em 20 países e sem fins lucrativos, para entregar para ONU.
— Nosso objetivo é deixar um legado, deixar um papel social e humano para sociedade. Não temos escritório, saite ou cartão de visita, evitamos utilizar papel e trabalhamos com um lucro presumido de 20%, a diferença nós devolvemos para sociedade ou para os funcionários — fala Rony.
O trabalho está longe de acabar.
— Daqui a pouco vamos viver outra grande revolução. Estamos passando por muitas mudanças sociais, com a expectativa de vida aumentando. No futuro, as pessoas acima de 40 anos vão ser um novo ponto de influência, mais um referencial a se somar aos jovens — prevê João Paulo.
Pelo visto, a renovação não pára, o que garante muito mercado pela frente. Bom pra eles.


http://www.gardenal.org/urbe/2007/04/o_globo_01042007.html
Bks Ale

quarta-feira, julho 9

A moda esta na moda

Dentro do panorama da economia brasileira, a profissão na área da moda é a bola da vez
Ocupando o segundo lugar como o setor privado que mais emprega no país, a indústria da moda brasileira ganha cada vez mais espaço no mercado nacional e internacional.
Em virtude desse sucesso, a comunidade acadêmica, se é que ainda mantinha um preconceito em relação à área por sua efemeridade, passou a tratá-la com muito mais seriedade e profissionalismo.
"O Brasil possui o maior número de cursos de graduação em moda e estilismo no mundo. Ao todo, são mais de 40. Isso mostra que, embora ainda haja um preconceito da comunidade acadêmica, com certeza ele está sendo diluído, especialmente pelo papel decisivo que esta profissão exerce na economia nacional", destaca o Historiador, graduado em Desenho e Plástica pela UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) e especializado na área de moda pela Esmode, em Paris, João Braga.

Na visão do especialista, essa explosão do setor tem uma forte ligação com o sucesso que as modelos brasileiras estão fazendo no exterior e principalmente pela qualidade do material (tecidos, vestuário, sapatos e outros) produzido e exportado pelo Brasil, uma espécie de marco para a indústria têxtil nacional.
"O mais interessante é que o Brasil sempre foi exportador de matéria-prima básica, hoje ele exporta valor agregado, ou seja, o produto confeccionado, o que traz divisas para o país e ajuda a aquecer a economia", declara.
A moda está na moda... como já tivemos a moda dos advogados, publicitários, jornalistas, marketeiros...
Bjocas e até mais, Ale

terça-feira, julho 8

O poder das marcas

Achei esse post bem interessante:

De quem é a culpa?

Do consumidor? da cadeia de consumo? das marcas? do valor agregado?

Leia e reflita...

Reflexão sobre o post Polícia Civil apreende mais de 10 toneladas de roupas com marcas falsificadas em Goiás; 13 são presos

Acho interessante como a chamada da notícia e seu conteúdo manifestam reações diferentes em cada um. A cadeia de significantes nos leva até onde a informação nos toca mais profundamente. Neste caso: mercadorias falsificadas, crime, drogas, tráfico, mortes de famílias e criancinhas. É sempre muito difícil fazer um julgamento a partir da moral particular para uma questão ética (que afeta a todos).
Antes da falsificação das mercadorias encontradas, elas foram produzidas - o tecido foi comprado, cortado, modelado, costurado, para finalmente as etiquetas de marcas conhecidas serem colocadas. O que certamente gerou emprego, recursos financeiros que sustentaram famílias e criancinhas.
Este fato me faz refletir sobre duas questões que suscitaram durante minha leitura da matéria e seus comentários:
1. Todos que participaram da cadeia de produção destas peças são criminosos?

Ex.: modelista, costureira, etc.

E os consumidores, também podem ser considerados tão criminosos quanto os que elaboraram a trama da falsificação, incluindo a escolha das marcas?

2. As peças (jeans e malhas) que foram produzidas e apreendidas não deixam de ser vestuários que abrigam o corpo de qualquer um.

Como a marca, que revela seu valor agregado no preço da peça, serve de entorpecente que incita a falsificação e o tráfico criminoso.




(...) Leia o artigo completo Identidade na moda: a marca pode nos trair (367 words)



Bjks Ale

segunda-feira, julho 7

Divulgação: Novo Blog


Sou madrinha de mais um blog de moda rsss


Vale a pena conferir quem assina o blog é Miss Bowie & Miss Honjo.
Bjks Ale

sábado, julho 5

Prenda Menina


Sabadão corrido... aula de english, corrigir projeto final das meninas do Senai, fazer a mão, o pé...
correr no parque e se me animar ir para a balada... estou precisando relaxar rsss

Mas vou aproveitar para divulgar o site da Camila, Isabella e Priscilla de Niterói/RJ.
Já estão com um site há um ano e volta e meia usam a internet para tentar expandir a divulgação. E consideram os blogs uma maneira legal de divulgar! sempre falo isso nas minhas aulas... é uma ótima estratégia!

As meninas sabem que tem um número significativo de pessoas de Curitiba que visitam o site.
E pediram minha ajuda...

Meninas adorei o site de vcs!!! Desejo muito sucesso!

Queridos leitores vale a pena conferir o trabalho delas!

http://www.prendamenina.com/

Bjks Ale

sexta-feira, julho 4

Consumidores influenciadores...


Hoje, o consumidor além de ser muito mais bem informado, crítico e seletivo, ocupa um papel central na promoção da empresa e da marca. Redescobrimos a importância das redes sociais e da publicidade boca a boca. Mas agora na era dos bits e bites, é a vez da comunicação mouse to mouse em escala viral.
O comportamento do consumidor sofre o impacto das novas tecnologias e dos new media.

Hoje nos relacionamos não mais com a pequena comunidade de pares, mas em tese, com o mundo através dos mais diversos canais: celular, sms, games interativos, internet, e-mail, messenger, podcasting, blogs e comunidades de relacionamento virtual.


Canais mais visíveis, democráticos e colaborativos que nos permitem comunicar, relacionar e expressar o que pensamos e sentimos. Cada consumidor se torna um veículo de mídia poderosa e o que ele diz pode ganhar amplitude e popularidade.
Consumidores interagem mais e criam a comunicação, se tornando editores, críticos e experts, Djs e vídeo makers, gestores de comunidades, formadores de opinião e promotores de idéias, atitudes e marcas. (CGM – consumer generated media).

Entramos na era do consumidor 2.0, do cliente participativo e co-criador que quer se relacionar de forma mais autêntica com a marca e com os outros consumidores. Nós sabemos que os pontos de contato, comunicação e relacionamento se multiplicaram numa escala vertiginosa nos últimos anos e que as interações são muito mais freqüentes e diferentes do que eram. O consumidor é chamado a colaborar na criação do conteúdo do valor que a empresa e a marca irão lhe entregar. Ele faz a rede e é influenciado pelo que vê e lê na rede. Ele é parte central da cadeia produtiva de valor.


O que as empresas precisam fazer é conhecer se relacionar com estes consumidores, as marcas precisam ser pró-ativas, antecipar tendências e necessidades e criar valor surpreendendo estes consumidores. Necessário que se tenha agilidade e visão de mercado para saber construir e gerar relacionamentos com no mundo online, isto deve fazer parte de qualquer plano de comunicação hoje.
A grande ambição deste novo pensamento de marketing americano é saber como se pode gerar promotores de marca ou como fazer para que consumidores cada vez menos fiéis se transformem em advogados e promotores da marca.
Acho que outra tendência é de que os estudos que, até então, focavam nos fatores cognitivos e racionais de decisão de compra mudem seu foco e busquem entender a experiência da compra e enfatizar mais a experiência da posse, do consumo e pós-consumo dos consumidores modernos.
Estudar o impacto do descarte de produtos e repensar a lógica da cadeia de consumo dos produtos. Pensar soluções inovadoras para o reaproveitamento, reciclagem e descarte responsável - consumo ético e responsável.

Por Sérgio Lage
(Sérgio Lage é mestre em Sociologia e Publicidade e Marketing pela USP.

Professor Universitário nas áreas de Antropologia do Consumo e Cultura Material, Tendências, Comportamento e Consumo, Posicionamento Estrátégico de Marca e Consumidores.

Sérgio tem ainda uma consultoria na área de Comportamento e Tendências chamada What´Z´on - estudos e idéias. Nas horas vagas, adora escrever textos e crônicas sobre a vida moderna nos blogs Alto Valor Agregado e Vidas no Singular. E-mail: sergiolagesp@gmail.com .)

quinta-feira, julho 3

Distribuição no Mercado de Moda

A professora de Marketing da Marangoni de Paris, uma das principais instituições de estudo e pesquisa de moda mundial, Nathalie Paldacci fez uma palestra no inicio do mês de maio em Minas Gerais sobre a distribuição no mercado de moda.

A UseFashion esteve presente no evento e destaca os principais pontos abordados pela francesa.Entre as formas de distribuição apontadas por Nathalie estão as butiques, franquias e websites que ofertam não apenas produtos, mas também serviços e são o contato da marca com o consumidor. Segundo ela, a evolução da economia e dos modos de consumo evidenciaram o ponto de venda como um espaço de vida.

“É o universo da marca que está nesse ambiente”, afirma.

Consumo restrito“O prêt-à-porter está cada vez mais difuso e se inclui no conceito de ‘mass marketing’ onde o objetivo é atingir um público de padrão de médio a baixo da população”, explica ela, relacionando como ocorre na França. “As mulheres diminuíram as compras para os homens (maridos, namorados e filhos) já que esse público se emancipa dessa situação e passa ele mesmo a consumir. Além disso, o orçamento em vestuário tem decrescido nos últimos dez anos.

Atualmente os franceses gastam em média cerca de 500 euros (cerca de R$ 1.300) em compras de vestuário por ano”. Isso não significa que na França as pessoas não continuem a consumir o mesmo que antigamente.

A diferença é que agora elas buscam o hedonismo, por meio da aquisição de bens que tenham desconto ou em épocas de liquidação. “É assim que funciona com grandes lojas como Zara, H&M e GAP, além de hipermercados como a rede Carrefour que também investem em um setor de vestuário. Produtos de relativa qualidade têm preços baixos e alta rotatividade, ou seja, tudo que não for vendido a curto prazo, será liquidado” (veja reportagem relacionada a compra de roupas em supermercados neste link ).

Ponto de venda
“A internet é um canal de distribuição que considero totalmente completo, mas não podemos deixar de ressaltar que a estratégia de comunicação adotada pela Zara, por exemplo, não investindo em publicidade e se divulgando através de suas próprias vitrines, é bastante eficaz” aponta Nathalie.

Além disso, seus vendedores são atenciosos, mas deixam que o cliente se sinta livre e parte do espaço”. A cadeia de lojas espanhola possui mais de três mil lojas espalhadas no mundo e representa 66% do faturamento total do grupo, em segmentos como feminino, masculino, infantil e casa.

“O que eles fazem é democratizar a moda, relendo peças de desfiles e lançando em demanda mais ampla e preços inferiores”, sintetiza.

Co-branding e luxo

Para Nathallie Paldacci, o luxo é um mercado concentrado, que ganha ramificações e se descentraliza quando há necessidade de expansão. “O que chamamos de co-branding, em que grifes e estilistas se unem a marcas para criarem coleções limitadas como Roberto Cavalli para H&M e Yohji Yamamoto para Adidas, é uma tentativa de diminuir barreiras entre a marca e o consumidor” e complementa dizendo que essas parcerias também se inserem no conceito de masstige, união entre mercado de massa e mercado de prestígio. Ela enfatiza que os mercados onde o luxo mais deve crescer estão Brasil, Rússia, Índia e China - grupo também conhecido como BRIC – fazendo com que este segmento, que já movimenta 150 bilhões de dólares, se desenvolva ainda mais.

Veja matéria relacionada publicada no portal UseFashion.

Algumas técnicas para diferenciar o luxo também foram destacadas pela francesa como a forma de dispor os artigos para que não fiquem muito apertados, bem como a teatralização da oferta. “Oferecer café ao cliente sem necessariamente oferecer produtos, pode ser uma poderosa ferramenta de relacionamento”, explica. A sacola e demais embalagens da marca também podem ser um diferencial, assim como elementos tangíveis de uma empresa, pois podem representar não apenas o nome como o logo e transmitir a verdadeira dimensão da marca.

Marca
A marca é a melhor proteção anti-crise segundo Nathalie. Para ela, as empresas devem estar atentas às novas formas de identificação e diferenciação dos concorrentes. “Devemos levar em conta que não é apenas uma necessidade ou um impulso que leva à compra. Existem aspectos afetivos envolvidos”, diz. Uma das formas de valorizar a marca, segundo ela, são as franquias. “Com a marca o aumento dos preços se justificam”, explica a pesquisadora citando a Chanel como uma das grifes mais capitalizadas do mundo.


Fotos: UseFashion

Veja mais no UseFashion , o vídeo da Chanel com o Nicole e Rodrigo...

Bjks Ale


Novas experiências, amigos e despedida

Estou na correria, mas com ótimas notícias...
Ontem comecei no O Boticário sou a nova analista de Trade Marketing da região Nordeste.
Leitores do nordeste... domingão estou indo para Aracaju, Salvador e Recife.
O Espaço da Moda vai ter a oportunidade de conhecer um pouco do nordeste...
Minha máquina vai trabalhar bastante rs.
Estou super feliz, vai ser um super desafio trabalhar com as franquias.

Ontem fiz a minha despedida da Zero Cinco e comemorei meu primeiro dia de trabalho.

A super poderosa Paula apareceu no Soviet. O crédito da foto vai para o super Serginho.

A primeira despedida foi na super cobertura da Lígia o churrasco que virou pizza.
A segunda despedida foi no Soviet...
Galera adorei conhecer e trabalhar com todos vocês!!!
Valeu por tudo! Sucesso pra vcs!
Bjks Ale


terça-feira, julho 1

Afilhados...


Estou super feliz! sou madrinha do blog/site http://ospiratasdohawaii.blogspot.com/ e recebi a notícia que:

No dia 28 de junho de 2008, Os Piratas do Hawaii receberam em São Paulo, das mãos do Produtor Musical e organizador do 3º Prêmio GRC Music de Música Independente, Eduardo Prata, o troféu de Banda Revelação 2008.
A escolha das 50 melhores bandas foi feita entre mais de 2.400 bandas independentes que se cadastraram para participar do evento ou que foram pesquisadas na internet, pela produção do evento, em sites de divulgação de bandas. No caso dos Piratas do Hawaii, a produção obteve as informações sobre a banda através do site Palco Mp3. Olha aí o poder da internet!
Ricardo parabéns pelo prêmio e muito sucesso pra vcs!
=================================

Outra novidade: Novo blog de moda na rede!
Minha aluna do Senai/Pr do curso de Estilismo Vanessa Moreyra está de blog novo onde fala sobre moda e coisas que ela aprecia!
Confira lá http://moda-com-vanessa.blogspot.com/

Vanessa parabéns pelo blog e sucesso na área.

Bjks Ale